Eu, Mariana Figueiredo, empreendedora e criadora do Nunamae

Moi, Mariana Figueiredo, entrepreneure et créatrice de Nunamae

Como a Nunamae comemorou seu terceiro anivers√°rio este ano, gostaria de compartilhar com voc√™s uma parte da minha jornada como empreendedor. Como voc√™ pode imaginar, √© repleto de grandes encontros, decep√ß√Ķes, grandes sucessos, d√ļvidas e, claro, muito trabalho. Com este artigo quero te convencer que se voc√™ tiver vontade e abnega√ß√£o, seus projetos poder√£o n√£o apenas ver a luz do dia, mas tamb√©m se tornar 100% seu dia a dia. N√≥s conhecemos ?

Meu nome é Mariana Figueiredo, tenho 35 anos. Nasci nas Caldas da Rainha, uma pequena cidade na costa portuguesa a norte de Lisboa. Mudei-me para a capital com minha família aos 7 anos e morei lá até os 15.
Caldas da Rainha, é uma vila artística muito conhecida graças ao famoso ceramista Bordalo Pinheiro , cujas peças em forma de legumes e frutas certamente conhece. Foi aqui, depois de terminar o ensino secundário, que decidi estudar design de interiores na Escola de Artes e Design.

Quando me formei em 2011, Portugal atravessava uma grave crise econ√≥mica e n√£o havia muitas ofertas de emprego para quem quisesse entrar no mercado de trabalho. Um ano depois, decidi sair de Portugal e ir para Paris. Na √©poca eu n√£o queria exercer minha profiss√£o, n√£o me via trabalhando como designer de interiores. Queria aprender franc√™s e ganhar dinheiro para poder viajar. Senti que precisava conhecer culturas diferentes, explorar um pouco o mundo. Ent√£o trabalhei como ‚ÄúAu pair‚ÄĚ para aprender o idioma e financiar minhas viagens.


Qual era sua formação profissional antes de lançar o Nunamae?

Eu n√£o tinha um caminho linear. Durante v√°rios anos, n√£o sabia o que queria fazer, o que poderia me deixar verdadeiramente feliz e realizada.
A perda da minha m√£e, que morreu de um c√Ęncer devastador em 2007, refor√ßou esse sentimento de estar perdido. Havia algo a ser preenchido em mim, mas eu n√£o sabia qual era o caminho.

Em 2013, fui para a Turquia, onde morei 9 meses, no √Ęmbito de um projeto de voluntariado. Depois continuei viajando por dois anos, antes de retornar a Paris. Permitiu-me descobrir o mundo e a mim mesmo de uma forma diferente. Isso mudou minha mentalidade.

Em 2018, estou de volta a Lisboa. Até à criação da Nunamae em 2020, trabalhei como assistente executiva, gestora de projetos numa empresa de marketing digital, criei uma marca de artesanato portuguesa e também trabalhei como gestora de compras numa empresa de design.
Tenho muito orgulho da minha trajetória, pois sei que estou onde preciso estar hoje graças a tudo que fiz e aprendi ao longo dos anos.


Quanto tempo se passou entre o momento em que você começou a pensar no projeto Nunamae e o momento em que o lançou?

Na verdade, demorou apenas alguns meses. Eu tinha acabado de vender outro projeto de artesanato em março de 2020 e não estava pensando em abrir uma marca novamente. Mas, algumas semanas depois, comecei a dizer a mim mesmo que gostaria sinceramente de fazer algo significativo. Tinha em mente a produção de um produto sustentável, local, fabricado com consciência e de qualidade. As ideias eram numerosas e todas muito diferentes umas das outras.

Quando finalmente decidi lançar minha marca de tapetes, seis meses se passaram até o lançamento do site. O processo foi rápido e o meu investimento na altura foi de 300 euros! Eu mesmo fiz o site e as primeiras fotos foram tiradas em casa. Toda a parte da marca foi feita pelo meu namorado. Em termos de stock, trabalhei apenas em 3 tamanhos, e duas cores: bege e bege. Comprei uma unidade de cada um dos tamanhos pequenos (que eram os protótipos) e lancei o site. Não queria correr muitos riscos, tinha medo de não dar certo. Estávamos no meio de uma pandemia e tudo era incerto. Além disso, na época eu tinha um emprego de tempo integral e o Nunamae nasceu com a intenção de ser um projeto de meio período.


O financiamento foi um problema?

Não, porque além da compra dos protótipos validados, do domínio do site, da impressão das etiquetas e da mensalidade do site, tudo foi feito pelo meu namorado da época e por mim. Isso me permitiu fazer grandes economias.


O que você mais sofre ao iniciar um negócio?

Acho que o maior problema quando voc√™ cria uma empresa onde voc√™ √© o √ļnico trabalhando √© a solid√£o. Mesmo que estejamos em contacto com muitos parceiros, fornecedores e clientes, este sentimento √© o que mais ocupa espa√ßo.
Quando surge uma questão, em termos de investimento ou de criatividade, obviamente não há equipa para fazer brainstorming. Você também precisa ser um bom gestor de tempo e controlar sua agenda planejando atividades fora do trabalho para poder socializar com outras pessoas.


Seu conselho para manter sua sa√ļde mental quando as coisas ficam dif√≠ceis?

No início de 2021, eu estava exausto, porque trabalhava em tempo integral e Nunamae estava crescendo. Também ficamos confinados e eu cuidava do meu filho em casa, além das minhas duas atividades.
Foi uma época muito difícil porque Nunamae estava apenas começando e crescendo. Eu sabia que tinha que fazer uma escolha e seguir o caminho que me faria feliz e realizado.

Em maio deixei meu trabalho para me dedicar 100% a Nunamae. Desde ent√£o, tenho prestado aten√ß√£o √† minha sa√ļde f√≠sica e mental. Nem sempre √© f√°cil, principalmente quando voc√™ trabalha em uma pequena empresa onde tudo depende de voc√™. Sinto que muitas vezes passamos os dias resolvendo problemas e situa√ß√Ķes no √ļltimo minuto, o que pode ser frustrante e mentalmente desgastante.

Pessoalmente fa√ßo exerc√≠cio f√≠sico, muscula√ß√£o e pilates. Tamb√©m decidi consultar um psic√≥logo uma vez por semana (o que todos dev√≠amos fazer) e este ano decidi fazer sess√Ķes de hipnoterapia, o que √© incrivelmente bom e tem-me ajudado a ver rapidamente uma diferen√ßa no meu estado emocional, f√≠sico e at√© criativo.
Tamb√©m aprendi a passar um tempo sozinho lendo ou meditando, o que me faz muito bem. √Č fundamental ter tempo para si, bem como para a sua fam√≠lia e amigos, e para isso √© fundamental uma excelente gest√£o do tempo.


Qual é a suamaior conquista?

Concluir este projeto é meu maior orgulho e maior conquista. Nunca pensei que criaria algo que me permitisse largar meu emprego principal apenas 8 meses após o lançamento. Fi-lo porque senti necessidade de explorar o meu lado criativo e a minha paixão pela decoração. Trabalhei com meu coração e minha intuição.


Como voc√™ gerencia suas vit√≥rias, mas tamb√©m suas d√ļvidas?¬†

Em termos de vitórias, tenho um primeiro momento de emoção e alegria como uma criança quando recebe um brinquedo novo. Na verdade, sou muito grato pelas oportunidades que surgiram em meu caminho. Sempre analiso o que foi feito para que isso acontecesse na minha vida.
Quanto √†s minhas d√ļvidas, aprendi a administr√°-las com o tempo. Hoje, n√£o deixo mais que me preocupem. Muitas vezes, o tempo √© meu melhor amigo.


Como administrar seu tempo fazendo tudo de A a Z?

Nos finais de semana, geralmente domingo √† noite, organizo minha agenda para a semana seguinte. Pela manh√£ procuro sempre fazer as tarefas priorit√°rias: reuni√Ķes, prospec√ß√£o comercial. E √† tarde me dedico √† parte criativa.
Toda semana tenho imprevistos e procuro sempre integr√°-los ao que j√° est√° planejado na agenda.


Qual parte da sua atividade você mais gosta?

A parte que mais me dá prazer é a parte criativa, a descoberta de novos artesãos e novas técnicas. Portugal é rico em artesanato e cada região tem a sua tradição. Gosto de viajar pelo país e visitar seus workshops, conversar com eles, conhecer suas histórias e colaborar de mãos dadas em diversos projetos.


Que conselho você daria para alguém que deseja começar?

1/ Você não precisa ter muitos anos de experiência
2/ Comece com muito pouco
3/ Os medos dos outros n√£o s√£o seus
4/ Um projeto que você cria é uma parte de você que você libera para o mundo
5/ O sucesso é feito de erros e vitórias
6/ Seja consistente todos os dias
7/ Faça o que te faz feliz

Postagem anterior Próxima postagem